C&D Constituição & Democracia Nº 8 (Outubro de 2006) DIREITO E ARTE

C&D Constituição & Democracia Nº 8
(Outubro de 2006)
DIREITO E ARTE

OS NOVOS CAMINHOS DA ARTE E DO DIREITO

EDITORIAL (Outubro de 2006)

Observatório da Constituição e da Democracia

Nas diretrizes estabelecidas para o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE), para a área de Direito, contidas na Portaria INEP nº 125, de 2006, que será aplicado no final deste ano, manteve-se o objetivo já experimentado no modelo anterior do chamado “Provão” de avaliar, para além dos conteúdos de qualificação técnica, também as habilidades e competências que os alunos devem desenvolver, no seu processo de formação, necessárias para uma boa educação jurídica.

Dentre as habilidades e competências descritas nessas diretrizes, ganham relevo as que se referem à utilização de raciocínio jurídico, de argumentação, de persuasão e de reflexão crítica e sensível, bem como capacidade metafórica e analógica (letra f, art. 6º). Está claro que este modelo indutor de avaliação não se volta apenas para forjar um perfil artístico para o jurista, nem somente de o investir de uma disposição sensível para que saiba se colocar no lugar do outro quando tenha que exercer a condição de julgamento. Ele denota igualmente uma orientação de base epistemológica, apta a descortinar possibilidades cognitivas decorrentes da integração de diferentes modos de conhecer constituídos na experiência artística, científica, filosófica ou mística.

Dessas experiências trata esta edição de Constituição & Democracia. A entrevista do Professor Luis Alberto Warat mostra como Direito e Arte podem amplificar as formas de interpelação do novo e de apreensão do real. Seguindo a orientação do notável pensador, o texto de Marta Gama trabalha a conexão entre Direito e Arte pela mediação do Surrealismo para indicar perspectivas emancipatórias para o jurídico. Guardando também relação com esta influência, o Professor Alexandre Araújo Costa, entretanto com um viés de questionamento paradigmático, põe em confronto as abordagens da Ciência e da Arte no texto Ciência do Direito ou Mitologia Jurídica. Por sua vez, a Professora Bistra Stefanova, dando continuidade a estudos anteriores, aborda o direito como obra literária para sugerir o caráter criador do imaginário jurídico. Algo, diga-se, que já foi trabalhado na própria UnB, por um dos fundadores da sua Faculdade de Direito, firme no entendimento de que a literatura não é um delírio, mas a apropriação do real por meio de um outro discurso. Isso fica assinalado no texto de Adriana Miranda e de Mariana Veras (Roberto Lyra Filho: o jurista e o artista), com o qual as autoras homenageiam o notável professor da UnB como registro de 20 anos de sua morte. Ainda no conjunto temático que forma a edição, os textos de Paulo Blair (Uma Vida sem Direitos) e de Henrique Smidt Simon (Rock’n roll, direito e modernidade).

Completam a edição os textos dos Observatórios do Ministério Público, do Legislativo, do Judiciário e dos Movimentos Sociais, o artigo livre do Prof. Virgílio de Mattos (Tem saída! – Louco infrator: a reforma psiquiátrica construindo saídas) e a coluna mensal do Professor Boaventura de Sousa Santos, com um instigante artigo A Amazônia. O que está em causa, portanto, com os temas desta edição de Constituição & Democracia, é armar a disposição ativa do jurista para abrir-se a outros modos de compreender o Direito e as normas jurídicas.

Grupo de Pesquisa Sociedade, Tempo e Direito
Faculdade de Direito – Universidade de Brasília

Índice

UMA VIDA SEM DIREITOS
Paulo Henrique Blair de Oliveira
– Juiz do Trabalho, mestrando em Direito, Estado e Constituição pela UnB e integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito

O DIREITO COMO OBRA LITERÁRIA
Bistra Stefanova Apostolova
– Professora da UnB e do UniCEUB

SURREALISMO JURÍDICO, ARTE E DIREITO: NOVOS CAMINHOS
Marta Gama
– Mestranda em Direito e Sociedade pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Direito e Arte, do programa de pós-graduação em Direito da UnB

CIÊNCIA DO DIREITO OU MITOLOGIA JURÍDICA?
Alexandre Araújo Costa – Mestre e doutorando em Direito pela UnB,
advogado e pesquisador do Instituto Pensamento Social – IPS

ROBERTO LYRA FILHO: O JURISTA E O ARTISTA
Adriana Miranda – Mestranda em Direito pela UnB, integrante dos grupos de pesquisa O Direito Achado na Rua e Sociedade, Tempo e Direito
Mariana Veras – Mestranda em Direito pela UnB, integrante dos grupos de
pesquisa O Direito Achado na Rua e Direito e Arte

ENTREVISTA COM O PROFESSOR LUÍS ALBERTO WARAT
ARTE E DIREITO COMEÇAM A VIRAR A PÁGINA
Marta Gama
– Mestranda em Direito e Sociedade pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Direito e Arte, do programa de pós-graduação em Direito da UnB

ROCK, O DIREITO E O MODERNO
Henrique Smidt Simon
– Mestre em Direito e Estado pela UnB, professor do IESB e do UniCEUB, advogado

OBSERVATÓRIO DO JUDICIÁRIO
STRIPTEASE NO JUDICIÁRIO
Pedro Teixeira Diamantino – Mestrando em Direito, Estado e Constituição
pela UnB e advogado

OBSERVATÓRIO DO LEGISLATIVO
O DIREITO AUTORAL E A LIVRE INFORMAÇÃO
Paulo Rená da Silva Santarém – Bacharel em Direito pela UnB, integrante
do grupo de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito
Rodrigo Lobo Canalli – Bacharel em Direito pela UnB, integrante do grupo
de pesquisa Pensamento Social

OBSERVATÓRIO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS
LOUCOS ARTISTAS OU ARTISTAS LOUCOS
Janaína L. Penalva da Silva
– Mestranda em Direito e Estado na Universidade de Brasília-UnB

OBSERVATÓRIO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E OMISSÃO DO ESTADO
Nicolao Dino C.Costa Neto – Procurador Regional da República, presidente
da Associação Nacional dos Procuradores da República, mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco; professor na UnB

TEM SAÍDA! – LOUCO INFRATOR: SOLUÇÕES DA REFORMA PSIQUIÁTRICA
Virgílio de Mattos – Professor de Criminologia na Escola Superior Dom Helder Câmara (BH), onde coordena o Grupo de Estudos sobre Violência, Criminalidade e Direitos Humanos. Editor da revista Veredas do Direito, do Programa Pólos de Cidadania, da UFMG. Mestre pela UFMG e doutor em Direito pela Universidade de Lecce, Itália

A AMAZÔNIA
Boaventura de Sousa Santos
– Diretor do Centro de Estudos Sociais da
Universidade de Coimbra

Publicado por Paulo Rená

Mestre em Direito, Estado e Constituição (UnB), professor universitário, pesquisador, ativista, servidor público federal, foi gestor da elaboração coletiva do Marco Civil da Internet no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: