C&D Constituição & Democracia Nº 5 (Junho de 2006) O QUE O POVO DEVE FAZER PARA LEGISLAR

C&D Constituição & Democracia Nº 5
(Junho de 2006)
O QUE O POVO DEVE FAZER PARA LEGISLAR

O QUE O POVO DEVE FAZER PARA LEGISLAR

EDITORIAL (Junho de 2006)

Observatório da Constituição e da Democracia

Não é possível construir legitimamente a soberania sem pensar a participação popular. Muito embora um senso comum indique que os mecanismos de participação popular direta sejam obstáculos a medidas de soberania – especialmente em momentos críticos em que o debate sobre a violência não pode mais ser posto em segundo plano – é preciso reconstruir, criticamente, esta oposição entre democracia e soberania. E, no centro desta questão, situa-se uma ideia: a democracia, quando debate os limites e desafios de nossas liberdade e igualdade, pergunta-nos a todo o momento qual a medida de nossa participação na construção das normas que nos regem.

É esta pergunta que conduz o quinto número deste caderno Constituição & Democracia, em questões que vão de temais mais gerais, tais como a cidadania percebida como condição para efetivo exercício de direitos humanos, a recusa legítima dos povos da França e Holanda de ratificarem uma proposta de Constituição Europeia construída em um processo que não privilegiou a participação popular, a necessidade de que a sociedade venha participar diretamente da construção das normas que regulamentam a prestação dos serviços de saúde e mesmo as formas de participação popular na iniciativa de leis – este último um caminho ainda por ser trilhado de modo mais efetivo.

A autoria construída pela cidadania, o protagonismo popular, já deu exemplos históricos de sua importância e ainda hoje é a fonte de uma resistência legítima aos ataques que são feitos hoje às garantias constitucionais – ambos temas tratados na entrevista concedida por Marcelo Lavenére, sem dúvida um observador e protagonista privilegiado da nossa história político-constitucional mais recente.

O debate central deste número aponta para a ideia de que o poder não apenas emana do povo e não é somente exercido em seu nome de forma representativa pelos agentes eleitos, mas extrai toda a sua legitimidade de mecanismos de participação popular. Estes mecanismos podem permitir, se utilizados, que nos vejamos a nós mesmos como autores do nosso direito.

Grupo de Pesquisa Sociedade, Tempo e Direito
Faculdade de Direito – Universidade de Brasília

Índice

PCC: MOVIMENTO SOCIAL OU ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA?
José Geraldo de Sousa Junior – Professor da Faculdade de Direito da UnB, integrante dos grupos de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito e Direito Achado na Rua e da Comissão de Defesa da República e da Democracia, do Conselho Federal da OAB
Cristiano Paixão – Professor da Faculdade de Direito da UnB, coordenador do Programa de Pós- graduação – FD/UnB, integrante dos grupos de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito e Direito Achado na Rua e procurador do Ministério Público do Trabalho (Brasília-DF)

CIDADANIA É O EXERCÍCIO DOS DIREITOS HUMANOS
Eduardo Carlos Bianca Bittar – Livre-Docente e Doutor, Professor Associado do Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Advogado e Secretário-Executivo da Associação Nacional de Direitos Humanos (ANDHEP–NEV/USP)

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA SAÚDE: QUEM DIZ O QUÊ
Mariana Siqueira de Carvalho – Professora colaboradora – DIREB/FIOCRUZ, Mestre em Direito pela UnB, especialista em Direito Sanitário – CEPEDISA/USP e integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito

ENTREVISTA COM O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE ANISTIA DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MARCELO LAVENÈRE
TRÊS RAZÕES CONTRA O IMPEACHMENT DE LULA

Alexandre Bernardino Costa – Professor da Faculdade de Direito da UnB, coordenador de Extensão – FD/UnB e integrante dos grupos de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito e Direito Achado na Rua
Guilherme Cintra Guimarães – Mestrando em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante do grupo Sociedade, Tempo e Direito e advogado da União

AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA
Maurício Azevedo de Araújo – Mestrando em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante dos grupos de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito e Direito Achado na Rua e advogado

REJEIÇÃO DA CARTA EUROPÉIA PELA FRANÇA E PELA HOLANDA
Laura Schertel – Mestranda em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito e Gestora Governamental

DIREITO INTERNACIONAL E A HUMANIZAÇÃO
Antônio Augusto Cançado Trindade – Professor Titular do Instituto de Relações Internacionais da UnB e ex-Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos

MÃE NÃO TEM SÓ UMA
Jorge Luiz Ribeiro de Medeiros – Mestrando em Direito, Estado e Constituição pela UnB e integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito

OBSERVATÓRIO DO LEGISLATIVO
PARTICIPAÇÃO POPULAR NO PROCESSO LEGISLATIVO
Leonardo Augusto de Andrade Barbosa
– Professor do curso de pós-graduação em Processo Legislativo da Câmara dos Deputados, Mestre em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Tempo e Direito, analista legislativo na Câmara dos Deputados e advogado

OBSERVATÓRIO DO JUDICIÁRIO
DECISÃO DO STF SOBRE CRIMES HEDIONDOS
Ana Luiza Pinheiro Flauzina
– Mestra em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Controle Penal e Sistema de Justiça, Diretora do EnegreSer e advogada
Fabiana Costa Oliveira Barreto – Mestra em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Controle Penal e Sistema de Justiça, e Promotora de Justiça (MPDFT)
Marina Quezado Grosner – Mestra em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Sociedade, Controle Penal e Sistema de Justiça e advogada

OBSERVATÓRIO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS
OS DESAFIOS DA CAMPANHA: “QUEM NÃO DEVE NÃO TEME”
Sara Côrtes
– Professora da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Mestra em Direito, Estado e Constituição pela UnB, integrante do grupo de pesquisa Direito Achado na Rua e Secretária da AATR – Associação de Advogados de Trabalhadores Rurais da Bahia
Juliana Neves Barros – Advogada da AATR – Associação de Advogados de Trabalhadores Rurais da Bahia

MORALES E A DEMOCRACIA
Boaventura de Sousa Santos
– Diretor do Centro de Estudos Sociais da
Universidade de Coimbr

Publicado por Paulo Rená

Mestre em Direito, Estado e Constituição (UnB), professor universitário, pesquisador, ativista, servidor público federal, foi gestor da elaboração coletiva do Marco Civil da Internet no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: