C&D Constituição & Democracia Nº 2 (Março de 2006) CONSTITUIÇÃO: UMA AMEAÇA À GOVERNABILIDADE?

C&D Constituição & Democracia Nº 2
(Março de 2006)
CONSTITUIÇÃO: UMA AMEAÇA À GOVERNABILIDADE

CONSTITUIÇÃO: UMA AMEAÇA À GOVERNABILIDADE?

EDITORIAL

Observatório da Constituição e da Democracia

Radicalizar a democracia. Essa é a proposta contida na segunda edição do Observatório da Constituição e da Democracia. O momento atual da política possui implicações que transcendem as preocupações do curto prazo. Casos de corrupção vêm à tona, propostas de reforma da Constituição que não observam a própria normatividade fundada pelo constituinte originário encontram campo fértil em amplos setores da classe política e as formações partidárias se reorganizam, tanto em suas lideranças quanto no seu discurso. Esses fatores, se tomados em conjunto, conferem à eleição de 2006 uma importância decisiva para a consolidação – ou não – do quadro político, jurídico e institucional implantado pela Constituição da República promulgada em 1988.

Daí a necessidade de se postular uma democracia radical, apta a ser exercida, reconstruída e reconfigurada em todos os espaços da vida política de uma dada comunidade. Como se sabe, não há democracia sem questionamento, liberdade, crítica e participação popular. Chega a ser tedioso e redundante afirmar que a simples estipulação, num documento constitucional, de procedimentos formais de representação e alternância dos ocupantes do poder não garante a experiência da prática democrática. É preciso observar, interferindo. Com apoio nessas premissas, o Observatório procura lançar, na edição que ora se apresenta, a discussão em torno de temas que mobilizam o cenário político e jurídico da contemporaneidade.

Em nosso primeiro número, destacamos alguns aspectos da proposta que tramita na Câmara dos Deputados para a realização de uma revisão constitucional a partir de 2007. Essa discussão prossegue aqui, com a entrevista concedida por Menelick de Carvalho Netto, em que os termos do debate na Comissão Especial que analisa a PEC 157/2003 são retomados, em viés crítico e problematizante, o que permite a melhor compreensão dos pressupostos, motivações e fundamentos que conduzem os defensores da proposta a tentar obter sua aprovação.

O enfoque temático do segundo número concentra-se na corrupção. A mobilização nacional desencadeada com as primeiras denúncias de favorecimento, desvio de recursos públicos e utilização do aparato estatal para finalidades partidárias ou mesmo pessoais justifica uma abordagem especial do nosso Observatório. Em primeiro lugar, revela-se importante a discussão em torno do tratamento jurídico e institucional que vem sendo concedido a uma atitude secular, arraigada e cada vez mais refutada pela cidadania: a prática de nepotismo nos tribunais brasileiros. Esse é o tema da intervenção de Paulo Luiz Neto Lôbo, integrante do Conselho Nacional de Justiça, referência em ensino jurídico e responsável pela construção de uma trajetória firme e inequívoca em prol de uma efetiva democracia. Em outros ensaios dedicados ao tema, os articulistas discutem novos impactos e conotações para o fenômeno da corrupção no Brasil.

Na parte remanescente de nossa edição, são mantidas as convicções que levaram à possibilidade da intervenção de um grupo de pesquisa – sediado e mantido numa universidade federal – no panorama atual: observar os poderes constituídos, chamar a atenção para a atividade dos movimentos sociais, discutir e criticar temas voltados à experiência política contemporânea, analisar a cena internacional, suscitar assuntos polêmicos. Enfim: radicalizar a democracia.

Grupo de Pesquisa Sociedade, Tempo e Direito
Faculdade de Direito - Universidade de Brasília
Índice

SERÁ A POBREZA TERRORISTA?
João Paulo Santos

O NEPOTISMO NO JUDICIÁRIO E A PERSPECTIVA REBUBLICANA
Paulo Luiz Neto Lôbo

VOCÊ TAMBÉM JÁ FOI BRASILEIRO?
Renato Bigliazzi

NEGOCIADO X LEGISLADO: FIM DA CLT?
Ricardo Machado Lourenço Filho

RETROCESSO À VISTA: GOVERNO AMEAÇA ENFRAQUECER OS JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS
Leonardo A. de Andrade Barbosa

ENTREVISTA COM MENELICK DE CARVALHO NETTO
Paulo Sávio Peixoto Maia
Denise Gama

POR QUE NÃO APRENDER COM A CORRUPÇÃO?
Guilherme F. A. Cintra Guimarães

OBSERVATÓRIO DO JUDICIÁRIO REAÇÕES SOBRE A CHAMADA “POLITIZAÇÃO DO STF”
Paulo Sávio Peixoto Maia

OBSERVATÓRIO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS: DE PERTO TODO MUNDO É NORMAL
Janaína L. Penalva da Silva

OBSERVATÓRIO DO LEGISLATIVO: O DIREITO DO TRABALHO DE PONTA-CABEÇA
Paulo Henrique Blair de Oliveira

MEDICAMENTOS: A SAÚDE ESTÁ À VENDA?
Mariana Siqueira de Carvalho Oliveira

LIBERDADE RELIGIOSA, DEMOCRACIA E SABEDORIA POPULAR
Fábio Portela Lopes de Almeida

AS ESCALAS DO DESPOTISMO
Boaventura de Sousa Santos

Publicado por Paulo Rená

Mestre em Direito, Estado e Constituição (UnB), professor universitário, pesquisador, ativista, servidor público federal, foi gestor da elaboração coletiva do Marco Civil da Internet no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: